1 de jun de 2017

Aprendizagens



Coisas que a vida ensina depois dos 40. 
Amor não se implora, não se pede não se espera... Amor se vive ou não. 
Ciúmes é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.
Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade. Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz. 
As pessoas que falam dos outros para você, vão falar de você para os outros. 
Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
Água é um santo remédio. 
Deus inventou o choro para o homem não explodir. 
Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso. 
Não existe comida ruim, existe comida mal temperada. 
A criatividade caminha junto com a falta de grana. 
Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar. Amigos de verdade nunca te abandonam. 
O carinho é a melhor arma contra o ódio. As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida. 
Há poesia em toda a criação divina. Deus é o maior poeta de todos os tempos. 
A música é a sobremesa da vida. Acreditar, não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente. 
Filhos são presentes raros. 
De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças acerca de suas ações. 
Obrigada, desculpa, por favor, são palavras mágicas, chaves que abrem portas para uma vida melhor.
O amor... Ah, o amor... O amor quebra barreiras, une facções, destrói preconceitos, cura doenças... Não há vida decente sem amor!
E é certo, quem ama, é muito amado. E vive a vida mais alegremente...

Artur da Távola

31 de mai de 2017

Tantra - o caminho é possível?


COMO SABER SE O CAMINHO DO TANTRA É PARA MIM?


O Tantra não é um dogma ou uma religião. É uma atitude em relação à vida, num conjunto de práticas e vivencias que possibilitam a manifestação, o crescimento e a expansão da sua energia vital. Quando uma pessoa inicia suas práticas, torna-se mais consciente de seus próprios desejos e realizações, passa a sentir o outro plenamente. Essa atitude faz a energia pessoal entrar em uma vibração elevada, mais sutil.
A maioria das tradições místicas preconiza que os desejos materiais e as aspirações espirituais são excludentes, o que gera uma luta interna sem fim, gerando muita culpa e autocondenação. O Tantra traz um caminho alternativo, trazendo paz e alegria.
O comportamento sexual dentro do Tantra é um aprendizado do reconhecimento do potencial da energia vital, somado a uma atitude de empoderamento e segurança que possibilita um resultado de descobertas do corpo físico e transcende ao que a maioria experimenta.
Quando um tântrico fala sobre sexualidade, naturalmente é com a intenção de elevação espiritual. É totalmente diferente do conceito de sexo no ocidente, cujo  principal objetivo é chegar ao orgasmo.
No Tantra não existem pecado, tabus, preconceitos, bloqueios ou medos. O sexo é um momento ritual de aceitação e entrega absoluta.
Aspectos que foram sufocados, devido aos bloqueios impostos pelos pais, pela criação, pela sociedade, por crenças limitantes  e por relacionamentos mal resolvidos deixam de existir.
O Tantra é para você, se quiser fortalecer um vinculo com a pessoa que você ama e ter mais consciência de si e de suas atitudes!
Antes de decidir se é esse o caminho, olhe pra dentro de si e avalie a sua abertura em conhecer e explorar novos ensinamentos, novas perspectivas e principalmente o sobre o quanto você está disposto a empreender mudanças na forma com que vem levando a vida.
Quais são as suas necessidades?
O que você espera conseguir?
Quais são as áreas na sua vida que precisam ser modificadas?
Se você está disposto a mudar, se acha que sua forma de levar a sua história pessoal pode e deve ser ressignificada e se possui coragem suficiente pra empreender as mudanças necessárias … esse caminho com certeza é o seu!
Bem-vindo!

Cláudia Guilherme (Siari Prem)
Orientadora sexual, terapeuta holística e tântrica, além de produtora cultural. Palestrante especialista na abordagem de assuntos como sexualidade, comportamento amoroso, autoestima e resgate do feminino. Ministra diversos cursos, palestras e workshops na área de sensualidade por todo o Brasil.
E-mail: editorial@riofiqueligado.com.brInstagram: @claudiaiambe.

Estudantes realizam ações socioambientais às margens do Rio Joanes

Estudantes realizam ações socioambientais às margens do Rio Joanes


Palavras-chave: 









Antecipando as ações alusivas ao Dia Mundial do Meio Ambiente (6 de junho), os estudantes do Colégio Estadual Kleber Pacheco, no bairro de Portão, em Lauro de Freitas (a 28 km de Salvador), movimentaram, nesta quarta-feira (31), o Terminal Turístico Mãe Mirinha de Portão, importante patrimônio histórico, cultural e ambiental, situado às margens do Rio Joanes. Eles realizaram rodas de diálogo sobre sustentabilidade, cultura, educação e juventude; mutirão de limpeza; plantio de mudas nativas; oficina de fotografia; sarau lítero-musical; mostra de vídeos; apresentações musicais, de dança e teatro; aula aberta de artes marciais e meditação coletiva, entre outras ações socioeducativas e socioambientais.
A iniciativa marca a culminância da primeira fase do projeto “Cultivando Memórias”, que visa preservar a história, a cultura e o meio ambiente de Portão, na qual a comunidade escolar está inserida, conforme explica o professor de História, Tássio Revelat. “O nosso objetivo é revitalizar uma parte do Terminal Turístico, que se encontra em estado de abandono, por meio de um processo permanente de ocupação cultural. Introduzimos no currículo escolar conteúdos relacionados à história, à cultura e ao meio ambiente da região, relacionando conteúdos locais com os saberes disciplinares, facilitando a aprendizagem significativa”.  
Participaram da vivência estudantes do 1° ano do Ensino Médio, que plantaram mudas nativas – como aroeira, pitanga e jamelão. As mudas receberam o nome de líderes populares da região, como o capoeirista Mestre Boca; a fundadora do Terno de Reis de Portão, dona Aidê, e o fundador do grupo cultural Bankoma, Raimundo Neves.
Os estudantes falaram da importância de preservar o Rio Joanes e a história de Portões, construída por pescadores e marisqueiros da região. "Podemos melhorar o nosso ambiente e, para isto, é urgente a nossa conscientização e participação. As sujeiras dos Rios Joanes, Sapato e Ipitanga chegaram a um nível insustentável. Também precisamos proteger as nossas árvores e plantar outras tantas para garantirmos o oxigênio da nossa sobrevivência e a sombra imprescindível para o nosso bem-estar", declara a vice-líder de classe Bruna Santos, 16 anos.
A colega Renata Cerqueira, 16 anos, completou: “Muito válido este projeto de preservação do ambiente e do lugar onde estudamos e moramos. E o mais legal é ter esta aula de campo, que contribui ainda mais para o nosso aprendizado e ganho de consciência ambiental”. Estefane Barbosa, 16 anos, também comentou: “Outra coisa interessante deste projeto é o conhecimento cultural e histórico que ele nos trouxe sobre o lugar do qual vivemos. Isto nos enche de orgulho e sentimento de pertencimento”.
A professora de Biologia do Kleber Pacheco, Ana Cláudia Magalhães, também falou sobre a proposta do projeto. “Trabalhar com Educação Ambiental é essencial e emergencial para conter os desequilíbrios ecológicos, relacionados à conduta humana inadequada e a escola precisa desenvolver métodos diferentes em busca do desenvolvimento local sustentável. E o trabalho só funciona se for feito de forma transdisciplinar, perpassando nas dimensões da crítica, da cidadania, da ética, da política, da postura humana e do meio ambiente”, afirmou.


http://estudantes.educacao.ba.gov.br/node/25084