28 de fev de 2011

Acalentando Sonhos (por Tássio Revelat) - Pedagogia Waldorf



            Foi realizado no dia 26/02 às 9 h, na escola Acalento, uma importante palestra ministrada pelo Dr. Paulo Tavares. Esse evento fez parte de um ciclo de palestras que está sendo desenvolvido na escola com o tema: Família, Saúde e escola. O Dr. Paulo Tavares abordou dois temas à luz da pedagogia Waldorf, foram eles: O médico escolar e a maturidade para iniciar o ensino fundamental.
            A Pedagogia Waldorf é um dos desenvolvimentos das teorias de Steiner, além da medicina antroposófica e a agricultura biodinâmica.
            Introduzida por Rudolf Steiner em 1919, em Estugarda, Alemanha, uma das principais características da pedagogia é o embasamento na concepção de desenvolvimento integral do ser humano, criada pelo próprio Steiner, que leva em conta as diferentes características e estágios de desenvolvimento das crianças e jovens, segundo sua idade aproximada.            
            Para atingir a formação do ser humano, a pedagogia atua no desenvolvimento físico, anímico e espiritual do discente, incentivando o querer (agir) por meio da atividade corpórea da Pedagogia Waldorf. O sentir é estimulado na constante abordagem artística e nas atividades artesanais específicas para cada idade. O pensar é cultivado paulatinamente, desde a imaginação incentivada por meio de contos, lendas e mitos – no início da escolaridade –, até o pensar abstrato rigorosamente científico do Ensino Médio (colegial).
           Uma das características marcantes da Pedagogia Waldorf é o fato de não cultivar precocemente o pensar abstrato (intelectual), pois, segundo Dr. Paulo Tavares a energia que a criança estaria usando para o desenvolvimento das estruturas do cérebro seria transferida para o exercício do pensamento abstrato. Portanto, as consequências desse desenvolvimento intelectual precoce nas crianças, processo de alfabetização por exemplo, conduz a uma cristalização das estruturais cerebrais, o que pode causar no futuro doenças degenerativas no sistema nervoso, além da falta de criatividade.Na perspectiva da escola acalento  os tempos biológicos da criança precisam ser respeitados, elas precisam de um tempo suficiente para imaginar, sonhar e brincar. Segundo o Educador a Pedagogia Waldorf está alicerçada no principio do Amor e só através dele o educador pode transmitir a sua humanidade para as crianças. “Essas crianças aprendem a aprender, elas vão muito além daquilo que está posto no quadro, elas conseguem criar novas ideias e reformular conceitos ”, pontua o educador ao demonstrar o êxito que as crianças obtém quando vão estudar em outras escolas.
         Os professores e funcionários da escola ouviram com entusiasmo a palestra do Dr. Paulo Tavares, tanto eles quanto o pesquisador sinalizaram que muitos estudantes formados pela pedagogia Waldorf ocupam hoje um lugar de destaque na sociedade, comprovando a eficiência do método.

Tássio Revelat ( Historiador, Pós-graduado em Docência do Ensino Superior e Gestor Cultural )

27 de fev de 2011

Um encontro com a própria sombra

Cisne Negro faz um convite à coragem de enfrentar os medos.
 
 
 




Cisne Negro é uma das obras sensíveis, delicadas e irretocáveis, que aparecem de vez em quando para nos lembrar de quão mágico o cinema pode ser em sua magnitude mais perfeita. Perfeição, aliás, é um dos temas centrais nos quais estão mergulhados a complexa protagonista Nina (Natalie Portman), sua dúbia mãe (Barbara Hershey), o ávido diretor de espetáculo Thomas (Vicent Cassel), a interessante antagonista Lily (Mila Kunis) e a ácida e amarga Beth (Winona Ryder).

A busca por perfeição no corpo, no balé, na sexualidade, no reconhecimento de seu trabalho e de sua marca faz com que Nina aprisione-se em um mundo doente, de sofrimento, onde sintomas psicóticos envolvendo indícios de transtorno alimentar, autoflagelação, e alucinações a atormentam, desafiando seus objetivos altos de se tornar a "Rainha do Cisne".

Nina (que nos lembra menina e no filme é acompanhada do jargão de "doce menina", ou "menina meiga") tem a rigidez necessária para tentar conter esses conteúdos assustadores de seu inconsciente. Por isso, apresenta-se como frígida, dura, incapaz de sentir. Mas a história evoca-lhe a coragem de enfrentar suas sombras, tarefa para a qual, em princípio, ela parece não possuir maturidade.

A história coloca lado a lado seu maior sonho e seu maior desafio: para obter o papel principal no famoso espetáculo O Lago dos Cisnes, e de quebra, além de obter reconhecimento por seu duro trabalho, conseguir a admiração definitiva de seu diretor, Nina teria que enxergar seus monstros e entender que perfeição vai além da brilhante execução técnica. Perfeição, diz o enredo, relaciona-se com viver algo com alma, deixar-se tomar pela experiência, ser arrebatado sem chance de reflexão, crítica. Sentir, viver com verdade e intensidade. A perfeição de um espetáculo deve aliar a técnica à paixão, a qual torna real o que seria apenas um personagem.

Encontro com o desconhecido



A menina Nina, envolta em bichos de pelúcia, caixinhas de música, cuidados invasivos da mãe, precisa deixar escapar o controle, perder-se em seu labirinto de emoções assustadoras para ver-se Negra, como o Cisne que não sabia interpretar, para então tornar-se mulher, com verdade, coragem, marcas, que afinal, fazem parte das histórias de todos nós, não é? Esse profundo processo fala de um encontro com a sombra, com tudo aquilo que se nega e desconhece em si..

No caso da protagonista, a sombra contém conteúdos projetados de sua mãe, que também quis ser bailarina quando jovem, mas desistiu do sonho para cuidar da filha. É como se Nina carregasse esse fracasso da mãe, que de certa forma a aprisiona em um mundo infantilizado e sob aparente controle. Entretanto, vê-se claramente o amor da mãe pela filha, mas esse amor é manifesto sob o crivo da doença, da loucura na qual ambas estão mergulhadas.

A mãe é a única que conhece alguns de seus segredos, como o fato de machucar a si mesma, de ferir sua pele. E o segredo entre as duas acaba tornando-se um elemento de manipulação da mãe, que evita que Nina cresça com a justificativa inconsciente de que sozinha ela não dá conta da pressão do mundo.

Ao se ferir, a garota encontra um meio de entrar em contato com seu próprio corpo, pois não consegue fazê-lo de outro modo. Tentou algumas vezes se tocar, entretanto era sempre interrompida tragicamente por uma interferência de seus pensamentos doentes ou pela figura de sua mãe repressora. Essas interferências ocorriam sempre que Nina tentava se soltar, fazer algo fora de seus padrões rígidos. São defesas, que tentam protegê-la do "ataque" do inconsciente.

O sangue, como elemento simbólico da vida e da morte, faz-se presente durante toda a narrativa, mostrando que se trata de um contato entre esses dois universos. O antagonismo entre o Cisne Branco e o Negro são facetas desse desafio de manter-se vivo, consciente dos limites do corpo.

Como se vê, o filme é altamente psicológico e apresenta o universo feminino em suas várias facetas. A "doce menina" frágil, medrosa, acuada diante das possibilidades do mundo, encontra a competitividade feroz e a necessidade de usar armas quando nem queria brigar. As bailarinas, a dança, a mãe, a opositora, a decadente substituída... Estamos falando de mulheres e de seu universo de inveja, obsessão, transtorno alimentar e de imagem, sedução... Um universo complexo cheio de labirintos.

Uma personagem que merece destaque é Lily, a suposta opositora de Nina, com quem disputa o papel principal. Suposta, pois no balanço dos fatos, Lily acaba tendo um papel altamente positivo do ponto de vista psicológico para Nina, pois faz com que ela entre em contato com aspectos muito mal elaborados de sua sexualidade, liberando seus instintos primitivos, como raiva, inveja, tesão, e até mesmo a vontade de matar.

Numa das cenas decisivas há um ferimento com um pedaço de espelho - aquele que reflete, que nos mostra quem somos e simboliza a coragem de assumir sua sombra, ir para a guerra com a força de quem faz o que for preciso para obter a vitória. É quando Nina encarna o lado negro de sua história e não mais vai para o palco representar o Cisne Negro. Ela vai ao palco SER o Cisne Negro. E sai, obviamente, ovacionada, pois finalmente entendeu e atingiu a perfeição. Realidade e loucura puderam, por segundos, se encontrar mais harmonicamente.

Palmas ao diretor Darren Aronovsky. Palmas à Natalie Portman, palmas a todo o elenco. Você, que ainda não viu, corra ao cinema, vestindo-se de coragem.
                                            



--
Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (Fernando Pessoa) 

26 de fev de 2011

Sou Professor

(Texto de John W. Schlatter, adaptado por Guiomar Namo de Mello)



Eu sou um Professor.
Nasci no primeiro momento em que uma pergunta saltou da boca de uma criança.
Tenho sido muitas pessoas em muitos lugares.
Sou Sócrates, estimulando a juventude de Atenas para descobrir novas idéias usando perguntas.
Sou Anne Sullivan, tamborilando os segredos do universo sobre a mão estendida de Helen Keller.
Sou Esopo e Hans Christian Andersen, revelando a verdade por meio de muitas, muitas estórias.
Sou Darcy Ribeiro, construindo uma universidade a partir do nada no planalto brasileiro.
Sou Ayrton Senna, transformando a fama de herói esportista em recursos para educar crianças em seu país.
Sou Anísio Teixeira, na sua luta de democratização da educação para que todas as crianças brasileiras tenham acesso à Escola.
Os nomes daqueles que exerceram minha Profissão constituem uma galeria notável para a humanidade: Buda, Paulo Freire, Confúcio, Montessori, Emília Ferreiro, Moisés, Jesus.
Eu sou também aqueles nomes e rostos que já foram esquecidos, mas cujas lições e cujo caráter serão para sempre lembrados nas realizações dos que educaram.
Já chorei de alegria em casamentos de ex-alunos, ri de felicidade pelo nascimento de seus filhos e me quedei de cabeça baixa, em dor e confusão, junto a sepulturas cavadas cedo demais para corpos jovens demais.
No decorrer de um dia já fui chamado para ser artista, amigo, enfermeiro, médico, treinador; tive de encontrar objetos perdidos, emprestar dinheiro, fui motorista de táxi, psicólogo, substituto de pai e mãe, vendedor, político e guardião da fé.
Apesar de mapas, gráficos, fórmulas, verbos, histórias e livros, na verdade não tive nada a ensinar aos meus alunos porque oque eles de fato têm de aprender é quem eles são. E eu sei que é preciso um mundo para ensinar a uma pessoa quem ela é.
Eu sou um paradoxo. Quanto mais escuto, mais alta se faz ouvir a minha voz. Quanto mais estou disposto a receber com simpatia o que vem de meus alunos, mais tenho a oferecer-lhes.
Riqueza material não faz parte dos meus objetivos, mas eu sou um caçador de tesouros, dedicado em tempo integral à procura de novas oportunidades para meus alunos usarem seus talentos e buscando sempre descobrir seu potencial,às vezes enterrado sob o sentimento do fracasso.
Sou o mais afortunado dos trabalhadores.
Um médico pode trazer uma vida ao mundo num só momento mágico. A mim é dado cuidar que a vida renasça a cada dia com novas perguntas, melhores idéias e amizades mais sólidas.
Um arquiteto sabe que, se construir com cuidado, sua estrutura pode durar séculos. Um Professor sabe que, se construir com amor de verdade, sua obra com certeza durará para sempre.
Sou um guerreiro que luta todos os dias contra a pressão de colegas, a negatividade, o medo, o conformismo, o preconceito, a ignorância e a apatia. Mas tenho grandes aliados: a inteligência, a curiosidade, o apoio dos pais, a individualidade, a criatividade, a fé, o amor, o riso. Todos vêm reforçar minha trincheira.
E a quem devo agradecer pela vida maravilhosa que tenho senão a vocês, pais me honraram ao confiar seus filhos, que são sua maior contribuição para a eternidade.
E assim tenho um passado rico em recordações. Tenho um presente desafiador, cheio de aventuras e alegrias, porque me é dado passar todos os meus dias com o futuro.
Sou um Professor... e agradeço a Deus por isso, todos os dias.

25 de fev de 2011

O Elemento Água -por Miliane Tahira




A água é  relacionada diretamente com a maternidade, por ser um elemento úmido, alés da feminilidade como todo sendo indispensável ao crescimento, germinação, maturação, reprodução/regeneração, purificação. Tem também o aspecto da absorção.

Várias mitologias trazem o elemento água como prinicípio relacionado a criação.Na Filosofia antiga, Thales de Mileto, filósofo pré socrático, tinha a água como o elemento responsável pelo surgimento de todos os outros, para ele este seria o princípio original.

Algumas teorias sobre o povoamento na terra enfatizam que as primeiras formas vivas foram oriundas das águas.

Para a psicologia Junguiana e transpessoal, a água é o elemento que rege as emoções, bem como aspectos do inconsciente e a energia do coração – chakra cardíaco.

A energia vinculada  a tal elemento é a receptividade e feminilidade, as lágrimas, ao fluxo, seiva.Os signos relacionados com essa substância são: câncer, escorpião e peixes. 

Á água pode ser profunda e parada como a dos pântanos, fluente, como as águas do mar e torrencial como em uma cachoeira. Todas as formas estão vinculadas a emoção e purificação, mas os níveis de transformação e movimento e como esses acontecem muda a partir dessa representação morfológica, podendo estar relacionados com aspectos específicos em cada uma dessas manifestações.

VIEIRA E WEBER, 1997, citam que “a água é vista hoje não apenas como fonte da vida, mas também como foco de preocupação mundial, posto que a sua escassez coloca em risco a vida no planeta. Neste contexto, em que se busca conscientizar a população para a necessidade de se conservar este líquido, é importante compreendermos o seu valor simbólico nas diferentes”.

Para a religião Wicca , a Água é representada geralmente em receptáculos (como taças) ou simplesmente por um rio, lago ou mar (nas cerimônias realizadas na natureza). Também na tradição cristã a água é um elemento purificante, logo que o cristianismo surgiu o símbolo de Cristo era um peixe.

Nos mitos a água representa o estado primitivo e caótico do mundo. Tiamat existia como um abismo de águas antes de ser vencido por Marduk. No Gênesis, as trevas originais eram repletas de águas, tendo surgido depois a Terra sobre elas.
            


 O  Ensaio que se segue é baseado na obra O Sagrado e o Profano, de Mircea Eliade e retiradodo sitehttp://knol.google.com/k/sadas-poeta/s%C3%ADmbolos-sagrados/1dmpqtqxodh3f/55

Simbolicamente, a imersão em água representa este retorno ao estado primitivo, um recomeço. Em contrapartida, emergir da água representa o renascimento, o erguer-se de um novo estado. Por isto o gesto de mergulhar e sair da água simboliza tanto a renúncia de um estado passado como a aceitação de uma nova condição. Representa morte e renascimento.
Em nível cósmico, este ato simbólico pode ocorrer nos dilúvios universais, que purificam o mundo, matando-o para fazer nascer um mundo renovado. Em nível individual, temos o ato do batismo que representa a morte do devoto para sua vida passada e o nascer para uma nova vida.
Sobre o batismo, assim falou João Crisóstomo: “Ele representa a morte e a sepultura, a vida e a ressurreição... Quando mergulhamos a cabeça na água como num sepulcro, o homem velho fica imerso, enterrado inteiramente; quando saímos da água, aparece imediatamente o homem novo”.
Os padres cristãos não tiveram repulsa ao simbolismo pagão da água, antes adaptaram-no à teologia cristã. Cirilo de Jerusalém, por exemplo, identifica a descida de Jesus ao Jordão com o antigo duelo do Deus contra o Monstro marinho.

Diz ele: “O dragão Behemoth, segundo Jó, estava nas águas e recebia o Jordão em sua garganta. Ora, como era preciso esmagar as cabeças do dragão, Jesus, tendo descido nas águas, atacou a fortaleza para que adquiríssemos o poder de caminhar sobre os escorpiões e as serpentes”.

Justino compara o batismo de Cristo à vitória de Noé sobre o dilúvio. “O dilúvio era, pois, uma imagem que o batismo acabava de consumar... Assim como Noé havia afrontado o mar da Morte, onde a humanidade pecadora tinha sido aniquilada e do qual emergira, também aquele que se batiza desce na piscina batismal para afrontar o dragão do mar num combate supremo e sair dele vencedor”.
                
Finalmente aprendemos com esse elemento a possibilidade de adaptação ao meio, a seguir o fluxo natural e permanecendo a mesma substância.



"(...) a vida vem em ondas como o mar, no indo e vindo do infinito(...)" (Lulu Santos)  




23 de fev de 2011

Intimidade por Ana Jácomo




Intimidade é quando a vida da gente relaxa diante de outra vida e respira macio. Não há porque se defender de coisa alguma nem porque se esforçar para o que quer que seja. O coração pode espalhar os seus brinquedos. Cantar a música que cada instante compõe. Bordar cada encontro com as linhas do seu próprio novelo. Contar as paisagens que vê enquanto cria o caminho. Andar descalço, sem medo de ferir os pés.

( Ana Jácomo)

21 de fev de 2011

Naturalizando a impermanência ou processo de transformação...





Algumas preciosidades morrem baixinho, em dégradé. Como morrem as tardes. Como morrem as flores. Como morrem as ondas. Quando a gente percebe, já é noite e o céu, se está disposto a falar, diz estrelas. Quando a gente percebe, as pétalas já descansam o seu sorriso no colo do chão. Quando a gente percebe, o canto da onda já enterneceu a areia. Muitas dádivas que nos encontram, que nos encantam, têm seu tempo de viço, sua hora de recado, e seu momento de transformação em outro jeito de lindeza.

A noite também é bela do jeito dela. As pétalas caídas viram húmus para fertilizar o solo que dirá a vez de outras flores sorrirem. A areia molhada conta a canção da onda e da sua acolhida terna para a nossa vida descalça. Lutar contra a impermanência da cara das coisas é feito tentar prender o azul macio das tardes, segurar o viço risonho das flores, amordaçar as ondas. É inútil.

Costumamos esquecer que não podemos impedir a mudança: tudo dança a coreografia sábia e implacável da impermanência. Mas a música daquilo que verdadeiramente nos toca com amor, não importa o quanto tudo mude - e tudo muda -, não deixa nunca mais de tocar e viver, de algum jeito, no nosso coração.
(Ana Jácomo)
Permanente é a essência...a vida é movimento que pressupõe mudanças continuas.. aprender a acolher isso implica amadurecimento...acompanhar o fluxo natural e muitas vezes incontínuo, incomum, para a nossa mente que quer estabilidade e medo do novo, nem sempre é fácil... requer mergulho interior e fortalecimento de nossas bases.... sim, seremos felizes para sempre dentro do respeito ao fluxo, mudança natural e reconhecimento do que de fato é verdadeiro segundo os critérios divinos, muito diferente, por vezes, dos critérios humanos....

17 de fev de 2011



Dia 24/02/2011 - Workshop Elemento Água


O que é:


Workshop para pessoas que se interessam em articular em uma abordagem teórico vivencial, os princípios elementares da água em suas vidas, a partir da técnica da dança do ventre, aliada a exercícios terapêuticos, bionergética e abordagem da picicoterapia analítica.


O que pretende:


Sensibilizar os participantes sobre os princípios elementares da água no corpo/psiquismo, potencializando-o através de técnicas possibilitadoras, trabalhando elementos da vida sentimental e regenerando, purificando em uma possibilidade de mudança.


Público Alvo:


Mulheres interessadas em adentrar, através da prática e da teoria, o fenômeno natural da água e sua correspondência corporal/psíquica.


Horário:


19:30 às 21:30


Investimento(apenas para quem não está matriculada no curso regular):


R$40,00


Informações e Inscrições: tarhira@yahoo.com.br/(71)9288 8372

13 de fev de 2011

Estudando os chakras. n.7. Sahásrara



Sahásrara
(Por Miliane Tahira e Márcio Silva)

O lótus das mil pétalas: \"por cima de todos os outros (...) está o lótus das mil pétalas.
 Este lótus, brilhante e mais branco que a Lua Cheia, tem a sua cabeça apontada para baixo.
Ele encanta. Seus filamentos estão coloridos pelas nuances do Sol jovem. Seu corpo é luminoso\".
 Esse centro fica na fontanela, no alto da cabeça, e entra em atividade unicamente após o despertar da energia ígnea.
É nele que se experimenta a união final de Shiva e Shaktí, onde chega a kundaliní, após ter atravessado os outros seis centros.

Está relacionado ao primeiro tattwa, o Purusha (Princípio Imutável do Ser), ao plexo cerebral e à glândula pineal (epífise), produtora da melatonina, substância que regula o sono e os ritmos biológicos.
Sensível à luz, esta glândula funciona durante a noite, quando aumenta o nível de melatonina no corpo, favorecendo uma mente mais internalizada.
A máxima secreção se dá entre meia-noite e três da madrugada, a melhor hora para fazer trabalhos intelectuais que envolvam criatividade.

12 de fev de 2011

Estudando os Chakras -n.6 - Ájña



Ájña
(Por Márcio Silva e Miliane Tahira) 


O chakra do comando situa-se no intercílio. É de forma circular, como a Lua, e belamente branco.
No centro do lótus aparece um triângulo invertido vermelho, simbolizando a yoni e, no meio do triângulo, um lingam branco. Rodeando o chakra, duas pétalas luminosas.
 O bíja mantra desse centro é o Om, considerado o melhor objeto de meditação.
O nome do mantra é pranava, que significa veículo do prána.
Meditando nesse centro, o yogin \"vê a luz, como uma chama incandescente.
Fulgurante como o sol matutino claramente brilhante, reluz entre o céu e a terra.\"

O ájña está ligado ao plexo cavernoso e à glândula pituitária (hipófise), que segrega a endorfina (hormônio 200 vezes mais forte que qualquer tranqüilizante).
A prática da meditação estimula a secreção de endorfina, causando uma agradável sensação de bem-estar. Este centro é o berço da intuição, do pensamento, do conhecimento, do orgulho intelectual, a soberba e fenômenos paranormais como clarividência e telepatia.
Corresponde aos tattwas manas, buddhi e ahamkára (a mente racional, a mente superior e o eu nocional). Latências: relaciona-se com determinação e força de vontade, autocontrole, paciência, capacidade de perdoar e bem-aventurança.

11 de fev de 2011

Estudando os Chakras. n.5 - Vishuddha




Vishuddha

Vishuddha significa o grande purificador. Esse centro fica no plexo laríngeo, na região da garganta.
Está relacionado com as glândulas tireóide e paratireóide, que regulam o metabolismo e com o ar vital udána, que distribui energia na área da garganta e nos membros.
É prateado e possui dezesseis pétalas de cor púrpura escuro ou cinza.
No seu pericarpo, um círculo branco, resplandecente como a Lua Cheia, representa o elemento espaço (ákásha), inscrito em um triângulo invertido da mesma cor.
No seu centro vibra o bíja mantra Ham.
Correspondências emocionais: afeto, tristeza, respeito, devoção, contentamento, lamento.
Através do massageamento destas glândulas estimulamos o centro da garganta, sede do dom da palavra, a eloqüência, o conhecimento e a clariaudiência, a audição paranormal.

10 de fev de 2011

Estudando os Chakras -n 4. Anahata



Anáhata
(Por Miliane Tahira e Márcio Silva)


Anáhata chakra significa o som não produzido.
O nome refere-se ao som do coração, que não é provocado por percussão, nem pelo choque de duas coisas, como no caso da música, senão que é um som que surge do interior.
Relacionado ao plexo cardíaco e ao
timo, a glândula responsável pelo funcionamento do sistema imunológico, este centro
de energia tem doze pétalas vermelho escuro que rodeiam circularmente dois
triângulos superpostos de cor cinza. Os triângulos formam um yantra de seis pontas,
símbolo do elemento ar (bhúta váyu). No centro deste yantra pulsa o bíja mantra Yam.
Nele aparece novamente o lingam, indicando a presença de um granthi.
Os granthis são nós ao longo da sushumná nádí, válvulas de segurança
e ao mesmo tempo obstáculos para a ascensão da energia.
As cores relacionadas com esse centro são verde e rosa.
O anáhata chakra é a sede do váyu, o ar vital chamado prána, que está localizado no plexo cardíaco,
 na altura do coração.
Sentimentos como o amor estimulam positivamente o timo, aumentando a capacidade imunológica.
Não é à toa que os chimpanzés batem instintivamente no peito como forma de manifestar alegria: estão massageando o timo.
Os laços afetivos fortalecem o sistema imunológico,
é por isto que pessoas solitárias podem ser mais propensas a ficar doentes.
Os samskáras relativos a este centro são: arrogância, vaidade extrema, depressão, desespero, egoísmo, avareza, hipocrisia, tendência à discussão, ansiedade, desgosto.
No aspecto positivo: esperança, positividade, altruísmo, preocupação com os outros, contrição, pensamento profundo, amor, afeição, auto-estima, arrependimento.










 











9 de fev de 2011

Estudando os Chakras n.3 -MANIPURA

 

Manipura
(Por Miliane Tahira e Márcio Silva)
A cidade da jóia fica na região do umbigo. Distribui o ar vital samána, está associado ao plexo epigástrico, ao pâncreas e ao elemento fogo (tejas), a força expansiva e calórica.
Tem dez pétalas azuis, dentro das quais aparece um triângulo vermelho-alaranjado, representando novamente a yoni. O bíja mantra deste chakra é Ram.
Está associado às relações interpessoais, ao ego, ao poder, bem como a distribuição de energia pelo corpo. Poderia ser considerado o chacra mediador, pois está entre o primários, mas faz a conexão com os demais centros por esta distribuição de energia vital.
O manipura chakra determina indivíduos enérgicos, coléricos ou com disposição para a liderança.
As latências subconscientes que correspondem ao centro do umbigo são: raiva, irritabilidade, fascinação, ódio, medo, timidez, crueldade, inveja, ciúme, apego cego, melancolia, letargia e ânsia de poder.
Como está associado a energia geradora de vida, o sol, ganha o nome de plexo solar e é representado pelo cor amarela. Assim como essa fonte natural geradora de vida, pode ter função geradora, mantenedora ou destruidora, dependendo da intensidade como for trabalhada!

8 de fev de 2011

Estudando os Chakras - n.2 - Swádhisthána

Swádhisthána
(Por Miliane Tahira e Márcio Silva)




O fundamento de si próprio, de cor branca azulada, está localizado na raiz dos órgãos genitais,
 quatro dedos abaixo do umbigo. Assim como o múládhára, distribui o apána váyu.
Associa-se às gônadas, glândulas sexuais, correspondendo ao plexo prostático.
Possui seis pétalas vermelhas, dentro das quais aparece uma Lua Crescente, que simboliza o elemento água (apas).
Sobre ela pulsa o bíja mantra Vam.
Simbolicamente está relacionado a energia geradora, ou seja, a tudo que se relaciona ao princípio criativo. A cor associada a este centro é a laranja.
Quando este chakra está hiperativo, determina indivíduos intuitivos, sensíveis e com tendência à introversão. As tendências subconscientes inerentes ao swádhisthána são: desdém, estupor, abandono, indulgência excessiva, desconfiança, medo, indiferença e sensualidade.

7 de fev de 2011

Estudando Chakras - n. 1- Muladhara



Múládhára  : Chakra de base ou de raíz
(Por Miliane Tahira e Márcio Silva)

Corresponde ao plexo sacro, na base da coluna, distribui o ar vital chamado apána.
Está associado às glândulas supra-renais, que segregam a adrenalina (responsável pela ação de defesa/ataque do organismo).
Vinculado às sensações, ou seja, a percepção mais concreta de tudo e do todo, a necessidade de ação.  Múládhára significa suporte da raiz.
Esse lótus aparece circundado por quatro pétalas vermelhas.
Inscrito nesse círculo de pétalas, um quadrado da cor do açafrão, que representa o elemento terra (prithiví). Dentro dele, um triângulo avermelhado invertido, símbolo da yoni, órgão sexual feminino, princípio da fertilidade.
No triângulo aparece o lingam, fundamento criador masculino, que brilha como um diamante.
 Em forma de serpente, enroscada três vezes e meia em torno do lingam, jaz adormecida kundaliní, a energia latente.
Não é casualidade essa região ser chamada sacra, que significa sagrada em latim.
O bíja mantra, som que ativa esse centro, é Lam.
Um indivíduo que viva sob a predominância deste chakra tenderá a ser céptico e pragmático. As latências mentais associadas ao chakra são: ilusão, cólera, avareza, desejo, sensualidade, territorialidade, instinto de sobrevivência, possessividade, temor e preocupação excessiva com o próprio corpo.

6 de fev de 2011

Estudo dos Chakras - Introdução

 
                Energia e estudo dos Chakras

            Por: Márcio Silva e Miliane Tahira

  

Os chakras são os centros de captação, armazenamento e distribuição de prána no corpo.Ou, melhor dizendo, são vórtices
de energia, centros onde se encontram e condensam as mesmas. Literalmente, chakra significa roda, disco ou círculo.
Também recebem o nome de padma ou lótus.
Eles estão unidos entre si pelas nadís, os canais da força vital, ou rede de circuito elétrico co corpo , como as pérolas de um colar.
A aparência desses chakras é circular, brilhante, como pequenos CDs, de quatro ou cinco dedos de largura, que giram
vertiginosamente. O elemento que corresponde a cada chakra determina a sua cor.
Cada um tem um bíja mantra, isto é, um som semente, ao qual responde quando é estimulado.
Representam-se com um número definido de pétalas, sobre as quais aparecem inscritos fonemas do alfabeto sânscrito,
os bíjas menores, que simbolizam as manifestações sonoras do tipo de energia de cada chakra.
Dessa forma, cada fonema estimula uma pétala definida de um chakra.
Cada chakra tem igualmente uma deidade e uma shaktí, com diferentes nomes, atributos, emblemas, etc.
Isso não significa que existam no corpo sutil pequenas imagens de deusas e deuses cheios de braços e cabeças,
e armados até os dentes, assim como não há neles diagramas geométricos ou animais imaginários.
São símbolos das propensões e latências samskâricas - conjunto das tendências subconscientes, de caráter inato e hereditário.



Por que estudar os chakras?

Dentro da linha energética, com a qual trabalhamos no método tarhira se faz necessária uma consciência de que energia
 mobilizamos em nossa prática e como estamos nos relacionando com essa percepção vital.
A desintegração o uso inadequado dessas correntes ou canais pode levar a doenças físicas ou psíquicas, mas a prática
responsável de atividades que visem integrar tais campos, conduz a uma vivência de satisfação e bem estar!!!!

 Dessa forma, a dança do ventre ou as terapias alternativas, quando utilizadas com essa consciência, despertam o
indivíduo de forma integral, favorecendo a saúde e a integração cósmica.















2 de fev de 2011

Sobre amor e felicidade -Martha Medeiros -Frase

"Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum.  Não existe amor minúsculo,  principalmente quando se trata de amor-próprio."

(Martha Medeiros) 

 


 

1 de fev de 2011

Informativo Tarhira -Fevereiro de 2011

    Informativo - Fevereiro de 2011

  Aproveite o calor do verão e banhe-se de dança e amor.. !!!!
 
                             2011-15 anos de dança do ventre de Miliane Tahira

1) Em fevereiro:



                                


Workshop sobre a força do elemento água e todo seu poder regenerador e transformador. Esse Projeto visa um aprofundamento /vivência integrativa como ser com e no mundo proporcionado pela recurso da Dança do ventre( para as alunas regulares) e, também, uma sensibilização para o público externo, possibilitado pelo formato de workshop.


SERVIÇOS/HORÁRIOS/LOCAIS

  
     
 Local das aulas
 
1)Working Sports -Todos os níveis
 
2)Ateliê Tarita Mistral -Professoras
 
Agora na Boca do Rio
 
Atendimentos
      
Ligar e agendar!!!!
       
Ações do PROINFANTIL em Fevereiro:
Agências Formadoras estarão em Fase Presencial com os Cursistas
Currículo de Miliane
  Plataforma Lattes:
Publicação de matéria na revista Brazil Orient acesse:

http://www.kcproducoes.com.br/revista_ab ril2010.pdf
Blog de Miliane:
(textos de estudos, eventos e muito mais)
 Visite comunidades  relacionadas no orkut:

 


Fotolog:
www.fotolog.com/tarhira
Parceria Projeto Amantes do Conhecimento:

http://artistasdesantoamarodeipitanga.ning.com




Data -24/02/2011

Horário - 19:30 às 20:30

Local - Academia Working Sports

Investimento -R$40,00

(para o público externo, as alunas regulares não pagam)

 

 2)Em Julho

Em breve maiores Informações..