19 de fev de 2015

Dissertação de mestrado Miliane - Entre o sentir e o significar:significações de mediação pedagógica entre professoras do Programa de Alfabetização Pacto pela Educação



Resumo: Significado e sentido estabelecem uma íntima conexão, muitas vezes difícil de dissociar. Em um universo educacional em que a mediação pedagógica é um conceito extremamente complexo, pois além de ser estudada e vivenciada, esta passa pela dinâmica do planejamento. Diante dessa problemática, como acontece a compreensão das professoras frente a esse conceito? Quais os sentidos e significados que estas atribuem à mediação? A presente pesquisa, de natureza qualitativa, investiga como duas professoras do Programa Pacto pela Educação compreendem mediação pedagógica. Para isso, as anotações a partir da observação participante e as entrevistas foram os instrumentos mobilizadores utilizados para o recolhimento e a análise de dados, possibilitando a criação de categorias e subcategorias. Os caminhos apontados nesse trabalho, refletidos pela análise dos dados apresentam uma dimensão mais ampla entre sentidos e significados do que os marcos teóricos presentes na formação das professoras, antes e depois do Programa de Formação de Professores (Pacto) ao qual estavam vinculadas. As estratégias mediacionais apresentadas por ambas desdobram em procedimentos e atitudes que demarcam sentidos mediacionais que, algumas vezes, distoam dos conceitos de que fazem uso. Dessa forma, o reconhecimento dos sentidos e significados trazidos nos discursos e observações apontam para os campos conceituais, procedimentais e atitudinais como representações presentes nos discursos e na prática das colaboradoras desse estudo. Entre a teoria e a prática; entre o sentir e o significar, mais do que respostas, o presente trabalho aponta reflexões e, a partir dessas análises reflexivas, caminhos. Esses, por sua vez, trazem possibilidades entre o conhecer e o ser, esferas que merecem ser cuidadas no cenário educacional, sobretudo em políticas que propõem formação para aqueles que atuam direta ou indiretamente com ensino/aprendizagem. Palavras-chave: Professores alfabetizadores-formação;Significado (filosofia);Ensino;Prática de ensino;


Veja dissertação completa no Repositório Institucional da UFBA, por meio do link:


http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/17011

18 de fev de 2015

O Levante do Joanes: O Canto de Resistência que atravessa séculos
Será realizado no dia 20 de Fevereiro de 2015, às 16h, um encontro de artistas, líderes comunitários e gestores culturais na Barraca da Gávea (Lauro de Freitas). A ideia é celebrar os 29 anos de existência da Barraca da Gávea, bem como os 15 anos do Bambolê, além de rememorar o levante do Joanes, que aconteceu no dia 28 de fevereiro de 1824. Por meio de uma roda de diálogos, troca de livros e intervenções artísticas celebraremos a nossa imensidão cultural e étnica representada por essas instituições.
A Barraca da Gávea que é muito mais do que um simples point comercial, ao longo de quase três décadas, transformou-se em um dinâmico espaço cultural que contabiliza centenas de eventos e projetos realizados, além de inúmeros apoios aos artistas, produtores, grupos culturais, ambientalistas e mobilizadores sociais, dentre outras iniciativas. Já o Bambolê, movimento cultural que fomenta a cidadania por meio da cultura, beneficia mais de 200 jovens por meio das oficinas de dança, teatro, arte circense e cultura popular. Nesse contexto, a Gávea, o Bambolê – além de outros movimentos, tais como o Bankoma, Zâmbia, Ereotá, Sociedade Távola, Amantes do Conhecimento - simbolizam a luta pela transformação social por meio da cultura e educação. Esse espírito presente nessas Instituições caracterizou também o levante dos Joanes, onde os gritos de liberdade ecoados pelos negros escravizados clamavam por justiça social.[1]
Portanto vamos participar desse momento histórico em que , por meio de uma programação livre , artistas, intelectuais e professores poderão apresentar sua arte e contribuir com reflexões. Será também um precioso momento para trocarmos ideias e fortalecer os vínculos.
________________________________________
[1] Em Santo Amaro de Ipitanga, às margens do Rio Joanes, ecoaram gritos de liberdade dos negros escravos, ainda em 28 de fevereiro de 1814. Episódio pouco conhecido na história de luta e resistência negras no estado, o Levante do Rio Joanes integra a série de mobilizações anteriores à bem documentada Revolta dos Malês, ocorrida em 1835, na capital do Império, com a participação de negros muçulmanos – única na história da escravidão nas américas. Antes do singular movimento Malê, outros ousaram e deram a vida pelo fim da escravidão e pela liberdade de culto religioso.
(A Nota de rodapé foi extraída de um texto dehttp://quilombosnews.blogspot.com.br/…/revolta-desconhecida…)
Programação:
A partir das 16h
- Acolhimento Musical
 - Roda de diálogos sobre o Levante do Joanes e a importância do Bambolê e da Barraca da Gávea ( Professor Gildasio Freitas, Artemio do Bambole ( Teminho Luz), Coriolano Oliveira, Duzinho Nery ( Sociedade Távola). Márcio Wesley ( Associação de Músicos), Adalgisa Rolim, Tassio Revelat ( Amantes do Conhecimento), Ricardo VieiraAccioly Hanna; Maria Dolores ( Novvus Educação); Fuscão ( Zambiã); Ereota ( Rubenval Lopes de Meneses); Miliane Tahira ( Mestra em Educação e professora de Danças Árabes).
- Exposição de Livros - Academia de Artes e Letras de Lauro de Freitas (Janeide Borges)
- Recital ( Tina Tude, Aloísio Lisboa, Poetas do Fala Escritor - Luiz Menezes De Miranda MirandaValdeck Almeida De Jesus Lotado, Jorge Carrano e muito mais)
- Exposição de Telas com Debora Fontes, Arlete Marques, Tânia Brandão e Kátia Cunha)
- Apresentação de Dança ( Studio Dança e Arte)
- Homenagens
- Dança circular e meditação coletiva ( Movimento Paz pela Paz)
Tássio Revelat e Coriolano Oliveira



13 de fev de 2015

Natureza como tema prioritário em educação: Educar é cuidar - texto de Miliane Tahira

Natureza como tema prioritário em educação: Educar é cuidar 
                                                                                             Por: Miliane Tahira


Começo esse texto com uma afirmação existente nas correntes mais atuais em educação infantil que cuidar é educar já que nessa fase do desenvolvimento da criança, sobretudo do zero aos três anos de idade, todo o processo de formação passa pelas suas necessidades vitais, sendo o corpo a principal forma de vinculá-la ao mundo e desenvolver a noção de si e do outro.
Mas aqui trago uma ampliação do cuidar é educar para o educar é cuidar, no sentido de que, se não trabalharmos a indissociabilidade dos sistemas culturais e naturais em nossas escolas, estamos fadados a desaparecer enquanto espécie.
Sim!!!! 
Por mais alarmista que essa afirmação possa parecer, o culto ao racionalismo e a dito antropocentrismo levou o homem ao desvio de não se reconhecer como parte do todo natural e estabelecer com a natureza uma relação de esfoliação que vem trazendo consequências nefastas, em que apenas o capital é destacado. 
As Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil destacam  essa necessidade, assim como a Política Nacional de Educação Ambiental (lei nº9.795/99).
Mas não basta apenas documentar, há que se ter mudanças efetivas de atitude, passando pelo exemplo Institucional, pelo Projeto Político-Pedagógico nas escolas e efetivação metodológica. Além de intencionalizar uma mudança de consciência que atinja as gerações futuras, há que se mobilizar famílias e comunidades estando essas inseridas nas propostas pedagógicas organizadas pelo corpo docente.
Tiriba(2010) traz importantes reflexões, constatações e propostas para que a educação ambiental seja trabalhada nas Escolas de Educação Infantil como uma verdadeira política transformativa, inclusiva e transdisciplinar.
Inicialmente aponta para a necessidade de que sejam trabalhados, além dos conteúdos culturais e de convivência humana, os conteúdos de cuidado com a terra, possibilitando que o aluno perceba-se como parte intrínseca desse ecossistema.
As Escolas precisam desemparedar, ou seja, proporcionar aulas para além dos seus muros, fazendo com que a criança conviva com o ambiente natural de forma a estabelecer relações entre seu corpo e tudo que está ao redor , e não apenas de forma racional e classificatória.
A autora baseia-se nas DCNEI(2010) e mostra-se propositiva quanto a ações eficazes que baseiam-se em três objetivos centrais.
1) Religar as crianças com a natureza
2) Reinventar os caminhos de conhecer
3) Dizer não ao consumismo e ao desperdício
Esses três objetivos só podem ser alcançados se entendermos que há que se fazer uma prática pedagógica em que a criança possa interagir com tudo que está ao seu redor.Além da interação social, que é  a mais comum, deverá haver também uma interação com o ambiente natural: vegetação, animas, frutos, sombra, tudo que está interrelacionado com o ambiente em que está interagindo e, principalmente, estar em pleno estado de percepção, em que seu corpo possa estar experimentando livremente os sentidos trazidos por essas experiências sensoriais.
Nesse sentido Educar é cuidar: cuidar de si, cuidar do outro, cuidar do ambiente cultural e natural, cuidar da qualidade das experiências que possibilitamos para que os educandos possam continuar encantando-se com o mundo e com a sua vida que é inteiramente relacionada com tudo que está a sua volta.
Esse saber é transdisciplinar, pois envolve todos os conhecimentos que estamos acostumados a trabalhar: biologia, geografia, história, artes, sociologia, estando na linguagem e na matemática que envolve todo um conteúdo espacial, de formas e relações.
Educar é cuidar para que não se perca o sentido da existência humana, muito mais existencial do que operacional.
Educar é cuidar para que não se perca em compensações materiais e utilitárias tornando o existir um vazio em que a natureza é negada e esfoliada.
Para isso há que se levar em conta as três ecologias apontadas por Tiriba(2007), a ecologia pessoal em que é estabelecida a relação consigo mesmo - corpo,inconsciente, emoções, espiritualidade. A ecologia social que traz as relações humanas e a qualidade destas, e a ecologia ambiental que trata da relação estabelecida entre seres humanos e natureza.
Urge que pais e educadores estejam conscientes de suas ações relacionais com seus filhos e as experiências que ligam essas três ecologias fortalecendo o real sentido de estar vivo e  que se cuide desse solo sagrado, pois cuidar da terra é cuidar da VIDA e da nossa existência individual, coletiva, natural e social.                        

Ecopoesia
                                                          
O sangue que corre nas minhas veias são cinzas de estrelas já mortas e a química das minhas emoções é o sal de antigos oceanos. 
Se sou o verso do universo em expansão, as minhas necessidades não são as necessidades do planeta? 
Os direitos do planeta não são os meus direitos? ( Tássio Revelat)


Miliane de Lemos Vieira (Tahira) 
(Mestre em Educação - UFBA/Psicóloga, Psicomotricista e Professora de Danças árabes)


                                                                             








4 de fev de 2015

Quinze anos de Inana: mensagens de mamãe, irmãozinho e Tássio

Mensagem de mamãe:


Filha,
Alguém escreveu que quando nasce uma criança, nasce uma mãe. Essa é uma das maiores realidades que pude vivenciar nessa estadia planeta terra.
Sempre desejei ser mãe e por mais que intuísse e maternasse outras crianças em escolas pelas quais passei, jamais soube de fato o que se descortinou diante dos meus olhos, veias e sangue diante da beleza de seu nascimento. 
Ah como tudo mudou!!!!!
O mundo se abriu diante de mim com cores que nunca tinha visto antes, pensei: agora é de verdade... é algo avassalador, pois não permite, em nenhum momento, um desligar-se.
O amor de mãe é um amor que toma o nosso coração para além do corpo.. é intenso, imenso e incondicional!!!!
Hoje, só tenho a agradecer por te ver crescer cada vez mais linda, habilidosa, inteligente, sensata, sábia e cheia de bons valores!!!
Várias correntes espiritualistas dizem que os filhos escolhem os pais antes de nascer.. sinto-me honrada por ter sido escolhida por você e por seu irmão...
Ele me mostra o mundo que eu preciso adentrar cada vez mais... e você, um universo de intimidade que corresponde ao que já cultivo, admiro e vivencio.
Te amo filha, você é e sempre será minha companheira de estrada, minha cúmplice!!!!

Seja feliz, sempre e conte sempre comigo!!!!!

Sua mamãe - Miliane Tahira - Mili



Mensagem de Luã:

Náaaaaaaaaanaaaa!!!!! Mã!. Teio bitoito.. cadê, Luã??? aqui Luã...
Te amo. Paiabéns!!!!! (Trecho das falas de Luã aos dois anos)


Mensagem de Tássio:

Parabéns pelo seu aniversário Inana Vieira. Continue sendo essa adolescente inteligente, amável, questionadora e amiga. És uma menina de muito valor, o que me faz acreditar muito no seu futuro. Lembre-se: “ a vida é breve, mas a alma é vasta” Portanto, acredite sempre nos seus sonhos e na força que há dentro de vc. 
Tássio.



3 de fev de 2015

A Pedagogia Waldorf e a participação dos pais no processo educativo das crianças

A Pedagogia Waldorf e a participação dos pais no processo educativo das crianças

Por Miliane de Lemos Vieira (Tahira)

Criada por Rudolf Steiner, a pedagogia Waldorf é alicerçada na antroposofia e guarda os princípios desta quando concebe o homem como ser físico-anímico-espiritual. Portanto a educação destinada às crianças é concebida como uma harmonização do educando consigo, com seu grupo e com a natureza na qual é integrado.
Dentre inúmeros aspectos diferenciais que a distingue da pedagogia tradicional e, também das metodologias mais difundidas atualmente como o construtivismo e sóciointeracionismo está a participação e papel dos pais na rotina educacional das crianças e ainda, na criação e manutenção da própria escola.
O primeiro ponto que cabe destacar é que, dentro dessa perspectiva de ensino, a Escola deve ser mantida pelos próprios pais, ancorados nos princípios que a norteiam. Para isso é fundada uma Associação de Pais que é o corpo soberano da Instituição. Isso evita uma comercialização desnecessária e faz com que as principais decisões sejam tomadas pelos pais, zelando pelo interesse educacional de seus filhos e toda comunidade estudantil. Além da Associação existe o corpo gestor e o corpo pedagógico, entendendo como situados nessa esfera, todos os profissionais que lidam diretamente com a criança incluindo além da professora, auxiliares, merendeira, porteiro etc.
Existe uma estreita relação entre pais e professores Waldorf, como sinaliza o texto retirado da Escola Jardim das Amoras(2015),

Os educadores devem trabalhar em conjunto com as famílias, pois as escolas Waldorf têm como meta básica fazer com que os pais acompanhem de perto o desenvolvimento de seus filhos. Escola e família trabalham conscientemente para a formação harmoniosa das crianças. Para isso, desde o momento da matrícula, a escola deverá deixar bem claro aos pais qual é a proposta pedagógica. Os pais, então, de posse desse material, poderão refletir e tomar uma decisão consciente sobre a futura educação de seus filhos, participando assim, ativamente, desse processo.

Além das atividades relacionadas com os Projetos que correspondem a etapas rítmicas, respeitando o movimento de expansão e contração do cosmos, a Escola Waldorf conta também com eventos em que os pais têm a participação efetiva como bazar e mutirões, bem como etapas comemorativas durante o ano.

O mutirão é uma forma dos pais zelarem pela Escola na companhia de seus filhos, fazendo reparos e cuidando do ambiente que acolhe suas crianças, isso gera um exemplo muito bom para as crianças, pois permite que elas tenham a mesma atitude perante a comunidade escolar, bem como traz uma sensação de pertencimento ao local onde estuda e dedica parte de sua vida.

Abaixo fotos de algumas ações realizadas no mutirão que aconteceu no dia 31 de janeiro de 2015, na Escola Jequitibá, situada no Município de Lauro de Freitas, no Bairro de Buraquinho.

                                                        Montagem cerca
                                                                       
                                                   Manutenção do computador

                                    Madeira doada para reforma do galinheiro

                                              Madeira doada para reforma do galinheiro 2

                                                             Criança dormindo

                                                    Reforma de mesas

                                        Pintura escola

                                                                                                           Troca da areia

Contatos da Escola Jequitibá:
Tel:(71)3026 2144
contato@escolajequitiba.com
www.escolajequitiba.com



Referência bibliográfica: http://www.jardimdasamoras.com.br/principios.htm, acessado em 02 de janeiro de 2015.