20 de nov de 2015

O mundo às avessas: Mariana, Chapada e Paris em Chamas, poema de Tássio Revelat


O mundo às avessas: Mariana, Chapada e Paris em Chamas

 
 
Rios de lama...destruição à vista,
Chapada em chama, a natureza agoniza.
Triste saber que a natureza grita, mas o ser humano não  escuta.
         
Rios de corrupção e a Nação em retrocesso,
Ideologias mortas em Leilão e o coração do Brasil se abre em canções de protesto.
Triste reconhecer que a História ensina, mas o ser humano não aprende.

Comparação de tragédias, o povo brasileiro perdido...
Vivemos uma trágica comédia
De um canto perdido
Homens – Bomba, atentado à vista
Conflitos injustificáveis e homens que se perdem na ilusão da conquista

Será que é difícil perceber
Que o outro não é tão diferente de nós?

Tássio Revelat

6 de nov de 2015

Frases de alunas e 2015-2 sobre o sentido da dança do ventre para cada uma - parte 1



O que é a dança do ventre e o que ela significa para você...


Inana Tahira - "A dança é a expressão e o expressar da alma, do sentido, da verdade que habita em cada dançarino, sua unidade."

Mel Vieira -  "Dança
                       Venha como criança
                       Solta com o vento e balança
                       Sem medo e com esperança
                       Saindo da mesma dança...
                       Uma diferente dança"...


Hélia Pinto - "  A dança significa pra mim um encontro de emoções que através dos movimentos  resultados de uma música, me remetem ao mais sublime êxtase de ser mulher"

Maria Mello - "Dançar eh como um dia de sol no verão"

Adriana Andrade -" A dança pra mim é alegria, terapia, vida. É como se eu colocasse nos movimentos, aquilo que tá preso em mim. Com a dança, minha vida ficou mais colorida!

Virginia Oria - "O que importa se meu passo tem dois tempos e o seu tem três....
                          O que importa se a música que eu danço não é a mesma que você ouve...
                          O que realmente importa é que existem várias músicas na mesma música
                          Por onde meu tempo e meus Passos podem passear."

Miliane Tahira -" A dança para mim é combustível de vida, meditação em ação, oração mais profunda que brota do âmago da alma e se transforma em poesia expressa em movimentos"

3 de nov de 2015

Educador: agente de transformação externa e interna, um eterno aprendiz!

                                                                                                    Foto: Iara Castro



O espaço escolar é eminentemente espaço de aprendizagem. Todos os atores aprendem o tempo todo: aprendem a ser, aprendem a fazer, aprendem a se adaptar e existir melhor em situações de equiparação de igualdade de oportunidades, aprende a conviver. Princípios inerentes a cidadania, muito mais amplos do que conceitos disciplinares.
A história da educação, entretanto, é permeada de muitas passagens diversas e controversas sobre o que é ensino e sobre o que é aprendizagem e, na maioria das vezes e das épocas centrando o primeiro sobre a responsabilidade do professor e o segundo sobre o processo almejado para o aluno.

Muitos teóricos foram resignificando esta separação entre estes dois campos, para citar só alguns: Paulo Freire, Vigotski e Bakhtin, cada um sob um prisma de pensamento, Freire com e educação libertadora e desopressora, Vigotski  por conceber a mediação como forma de aprender, mobilizando as zonas de desenvolvimento entre todos os sujeitos aprendentes, sendo o professor o principal mediador, mas não o único, e  Bakhtin quando propõe a relação como dialógica em que os saberes se transformam a partir de enunciados e enunciações. Todos estes téoricos convergem sobre o prisma de que o professor aprende e  de que o aluno não é um ser passivo que depende de informações e instruções que sejam unívocas.

Quando há ensino há também aprendizagem e vice-versa, já que para o sujeito aprender tem que refletir, se perguntar, confrontar hipóteses e se auto mediar. Entretanto, mesmo entendendo que ,em um espaço escolar, todos os sujeitos ensinam e aprendem, há que se ter um destaque para aquele que tem a função social de organizar e sistematizar o seu saber para mediar os saberes daqueles que ali estão com o objetivo claro e explícito de aprendizagem: o aluno.
Mas como propôr uma aprendizagem significativa e transformativa se este sujeito não exerce um posicionamento auto reflexivo de si como ser social que forma a si mesmo, é formado e se (trans)forma?

É necessário que a escola tenha, claramente,esta intencionalidade demarcada e praticada, em que a identidade profissional docente seja discutida, refletida, pensada. As práticas pedagógicas devem ser refletidas e valorizadas, pois para transformar o outro, é necessário antes, transformar a si mesmo,..

Miliane Tahira